(21-06-2008) Tradução: R. NicRhóisín & K. NicDhàna “TEMATOETECOMO”

Texto originalmente publicado no blog “Parahyba Pagã” em 21/06/2008. Mantivemos a redação original, caso hajam novos comentários estes aparecerão entre chaves [] no texto.

P1100093

TEMATOETECOMO
Ou, o Guia de um celta Bem intencionado para Bio-regiões Não-célticas

Por Raven nic Rhóisín e Kathryn Price NicDhàna
(Versão para o português por Marcílio Diniz e Priscilla Tschá)

Uma boa analogia é difícil de achar. Como praticantes de uma religião culturalmente-baseada vivendo em regiões que até recentemente não eram pisadas por Celtas, Reconstrucionistas Célticos (RCs) na diáspora necessitaram para se estabelecerem de compreensão e compatibilidade com os lugares nos quais nós moramos agora. Nós achamos que algumas áreas são mais conducentes a prática Céltica que outras. Enquanto os espíritos de algumas áreas – normalmente aquelas com clima, flora e fauna bem parecidas com as terras de nossos antepassados – são bastante amenos a uma aproximação Céltica, outros locais são cautelosos ou mesmo abertamente hostis. Neste artigo, nós esperamos mostrar alguns dos métodos que usamos para se orientar em regiões novas, desde que as nossas práticas Célticas são bem-vindas, ao alcance de um equilíbrio entre aderência tradicional e adaptações as quais podem ser requeridas para respeitar a hospitalidade e valores de nossos anfitriões.

Aprenda sobre a bio-região e suas culturas

Um das partes mais importantes da adaptação a uma área nova e determinar se esta se ajusta com suas práticas religiosas é entender o que já há lá. Algumas regiões vão ser mais iguais as terras historicamente Célticas que outras, e quanto maior as diferenças, maior a dificuldade que se pode encontrar em sincronizar suas práticas ao novo local. Obter uma compreensão do ecossistema, das culturas humanas, e das culturas espirituais já residentes será imensamente útil. Dará uma idéia do que esperar e também lhe ajudará corretamente a interpretar suas experiências, uma vez lá. Se planejas passar algum tempo maior no novo local (mudança, visita estendida, contrato de seis meses, etc.), provavelmente valerá pagar um guia de campo e aprender sobre a paisagem local, flora, e fauna. Procure por paralelos para presenças conhecidas no saber céltico – alguma das árvores do crann ogham ou outras plantas sagradas crescem localmente? Quaisquer dos animais com grande significação simbólica (corvos, cervo, lobos, etc.) é residente no local? Há características da própria terra a qual têm significado para um celta como um lago, uma costa, ou uma colina? Procurar lugares de possível ressonância é um primeiro bom passo, mas lembre-se de que a paisagem local pode ter idéias muito diferentes sobre simbolismo que atribuis.

Secundariamente, faça alguma pesquisa e aprenda sobre os povos indígenas da área. Povos residentes têm um grande efeito na expressão espiritual da terra ao seu redor e é provável que encontres espíritos que foram afetados por suas interações com os residentes locais. Alguns dos espíritos locais podem ser os antepassados das pessoas que já viveram lá ou que vivem lá agora. Alguns espíritos podem não ser indígenas–muitos vieram com imigrantes e fixaram raízes novas. Isto é particularmente comum em comunidades imigrantes que estiveram numa área por muitas gerações. Familiaridade com o jogo de símbolos local pode ajudar a clarear interações confusas ou iluminar experiências inesperadas. Inclusive se as idéias da cultura local não são nada parecidas aos modos Célticos de pensamento (talvez especialmente se eles não são), é bom se preparar para etiqueta e conversação no novo local. Prevenido vale por dois, e um pequeno estudo e investigação amigável podem o salvar de asneiras embaraçosas e posteriores fracassos de hospitalidade. É igualmente importante para Celtas serem bons hóspedes quanto bons convidados, e a consideração devida para diferenças alheias é parte disto.

Também é importante perceber que muitos tipos diferentes de culturas e sub-culturas são capazes de afetar o local. Pessoas que vivem imersamente perto de natureza (os guardas-florestais, fazendeiros, povos que vivem ao ar livre, etc.), como também os que se mantiveram na terra por muitas gerações, são provavelmente sua melhor fonte de informação sobre como se dar bem com a terra; mas residentes que não estão perto da terra ainda podem ter um efeito profundo em seu sentimento. Por exemplo, os residentes estrangeiros de Sedona, no Arizona reivindicam ruidosamente ter mapeado completamente o fluir da energia local, mas a experiência de Raven lá não “sincronizou” com seus mapas em nada – ela simplesmente falhou em perceber algo como os “vórtices de energia” pelos quais a cidade é agora famosa. Operando de um contexto cultural amplamente diferente pode ter tido algo ha ver com isto (um residente New Age perguntou a Raven se seu colar de ogham era “uma runa sacra da Atlântida”), mas com tantos milhares de pessoas tentando se afinar e trabalhar magia de modos surpreendentemente diferentes, a energia lá era bastante caótica até que fosses longe da cidade e começasse a caminhar pelas pedras vermelhas nos sítios distantes. Por causa disto, a maioria das pessoas que nós sabemos que trabalham de perto com a terra, incluindo povo indígena da área, evitam Sedona. O grau pelo o qual foi interferido com comercializações é uma das razões óbvias para isto, mas outro é o fato simples que a maioria do saber sobre isto sendo mais especial que a terra circunvizinha foi feita por pessoas que se moveram para lá com cifras em seus olhos.

Abra seus sentidos e apresente-se

Uma vez você chegou ao local novo, tens a chance de adquirir uma avaliação enérgica direta da região e quão bem-vindo (ou não) és. Fazer uma oferenda aos espíritos locais e se apresentar é geralmente aconselhável, mas, nós normalmente recomendamos esperar dormir uma noite no local antes de começar. Em seu primeiro dia depois de viagem, você está geralmente cansado, amuado, fraco, e realmente não operando com todos os cilindros. Alguns de nós acham que a fadiga severa nos fecha psiquicamente, tornando difícil ou até mesmo impossível perceber os espíritos. Permitindo-se algum tempo para se instalar antes de tentar conseguir conhecer o lugar e seus residentes permitirá captar se há um sentimento melhor da região, dê-te um descanso durante o qual podes ponderar sobre tuas impressões e deixá-las assentar, deixará uma impressão positiva mais provável quando te apresentares.

Oferendas aos espíritos locais é uma prática Céltica bem-atestada e geralmente são considerada boas maneiras. Porém, é crucialmente importante ter certeza que a oferta é algo que os habitantes quereriam receber de fato, em lugar de algo que você simplesmente quer oferecer. Por exemplo, em alguns países a idéia de humanos que bebem leite é conhecida com revulsão e desgosto. Produtos lácteos, entretanto freqüentemente amados por espíritos irlandeses, não seria uma boa oferenda nestes lugares. Em outras áreas, libar álcool na Terra é visto como um veneno ofensivo para a Terra como também aos espíritos locais. Nestes lugares, escolher-se-á qualquer outra coisa. Em geral, boas oferendas são biodegradáveis e não introduzem toxinas, danificam, ou invasivos biologicamente ativos no local. No saber da Fé das Fadas das culturas Célticas, as mais valiosas oferendas parecem ser coisas que envolvem algum grau de trabalho por parte dos humanos, uma criação onde os ingredientes crus foram transformados em algo novo. Enquanto o leite era uma oferenda comum, e normalmente avidamente aceita, a manteiga e a nata parecem ser mais computadas. Enquanto oferendas de grão são apreciadas, freqüentemente pelos espíritos, bem assados tendem a serem melhor. O tema aqui parece ser que o povo tem mais estima por algo que eles não podem fazer, mas que apreciam que os humanos façam.

Tendo isto em mente, também é importante escolher algo que é seu para oferecer, em lugar de ferir o local e oferecer de volta seu próprio membro cortado como se isso fosse magnífico. Essas plantas selvagens alpinas que levaram décadas para crescer? Desarraigando ou danificando-os e então “oferecendo-lhes” de volta não é essa idéia boa toda, e é provável que vá ofender e deixar uma impressão terrível. Traga algo de si próprio, ou ofereça seu trabalho para ajudar a limpar e tomar conta da terra. Respeite a terra e a trate com sensibilidade, estará em uma chance muito melhor de deixar uma boa impressão.

Quando estiveres em um troca cultural, boas oferendas carregam simbolismo positivo ou mencionam associações boas, localmente e dentro de uma visão Céltica. Raven ofereceu pedaços de pão quebrado aos corvos na Alemanha e fatias de laranja em uma manhã de Imbolc ensolarada na China. (Simbolismo chinês: generosidade e fortuna boa, e eles tiveram simbolismo solar para Raven durante a primavera vindoura.) Embora ela estivesse inicialmente preocupada que eles poderiam não ser aceitáveis a espíritos Célticos, felizmente, foram bem aceitas. Ao retornar, ela descobriu que Kathryn também tinha oferecido laranjas antes como parte de um prato trazido as deusas Brighid e Áine. No caso de Kathryn, as laranjas estavam disponíveis quando as deusas pediram algo doce, e uma fruta ensolarada parecia apropriada e foi recebida entusiasticamente. Companheirismo, sol, saúde e nutrição são boas conotações para uma oferenda ter; é uma extensão de sua amizade e benevolência para os espíritos.

Para mais em como fazer oferendas, veja http://paganachd.com/faq/ritual.html#offerings2

Esteja apto a levar não como resposta

Às vezes a terra simplesmente não gosta de ti. Às vezes também não é nenhuma apaixonada por Celtas. Outras vezes, é apenas tão sumamente diferente de culturas Célticas que é muito difícil achar uma área de concordância, ou até mesmo uma língua comum para falar. Enquanto tentamos nosso melhor para nos conectar com a terra e escutá-la, podemos não gostar sempre do que ouvimos. Da mesma maneira que nenhum humano tem uma obrigação moral para querer ser seu amigo, nenhum espírito local gostará ou desejará conectar-se com você. Temos que estar aptos a receber um não como resposta, e retirar-se respeitosamente se uma relação mutuamente satisfatória não puder ser estabelecida.

Raven teve uma experiência notável deste tipo enquanto viajava pelo Sudoeste americano com um amigo amante-do-deserto. Enquanto desciam as Rockies (onde Raven sentia uma conexão forte, íntima com a terra) e no alto deserto, ela ficou crescentemente intranqüila, e seu amigo ficava mais feliz e mais animado. A dor de cabeça de altitude de seu amigo melhorou; Raven desenvolveu de quebra uma dor de cabeça. (Ela descreveu a vibração hostil da área depois como “TEMATOETECOMO”. Enquanto o seu fraseado era deliberadamente impertinente e divertido em retrospectiva, não foi nada divertido lá.) Suas tentativas de melhorar as relações e fazer amigos com o local falhou. Apesar de um curso relâmpago da ecologia local e um estudo igualmente apressado das culturas locais e seus locais importantes, o sentimento nunca realmente enfraqueceu até que ela partisse. Suas oferendas foram deixadas intocadas; tentativas de conexão para os espíritos de terra foram conhecidas com sentimentos aumentados de raiva e hostilidade. A área, francamente, simplesmente não queria nada com ela. Às vezes isto acontece.

Kathryn teve uma experiência semelhante quando visitava parentes na Flórida. Tendo passado tempo na área enquanto criança, ela pensou que conhecia suficientemente bem a área, seu sentimento, seus animais e plantas. Porém sua única experiência com o trabalho de magia na região tinha sido em lugares fechados, ou em áreas bastante dóceis, e o foco dos trabalhos não tinha sido conectar-se profundamente com a terra. Quando ela e outro membro de seu grupo mágico se agruparam nas profundezas de uma floresta-chuvosa subtropical para se conectar com os espíritos, eles se sentaram abertos a terra… e foram imediatamente abordados com vibrações “PRÉ-HISTÓRICO-ESCORREGADIO-COBRA-VENENOSA-JACARÉ-VINDO-PARA-VÓS-AGORA”. Isto foi tão distraidor e desorientador que tiveram de cancelar o ritual completamente. Eles tiveram que voltar às áreas mais dóceis e reagruparem-se, e levaram alguns dias para se familiarizarem melhor com os espíritos. Ainda, algumas das coisas que eles tinham planejado fazer no ritual tiveram que ser completamente despedaçadas. Outras coisas tiveram que ser tiradas durante alguns anos até que eles puderam atingir um entendendo mais completo da área e o que os espíritos precisavam deles.

Claramente, há algumas áreas onde aqueles que estão arraigados em um arcabouço Céltico simplesmente não vão se sentir confortáveis, pelo menos, não instintivamente. Enquanto é possível que com bastante tempo e com maior entendimento das regiões em questão pudéssemos ter mais sucesso, em claro ou suspeito caso de “TEMATOETECOMO” nós geralmente te aconselhamos que deixá-los bem sós, e não importunar os espíritos da terra para que não decidam derrubar um cacto ou um jacaré em sua cabeça.

Hospitalidade

A relação principal entre um celta passageiro e a terra que eles estão atravessando é de hospitalidade. É importante respeitar os costumes do anfitrião (onde não ofendem os próprios costumes da pessoa, quebrando geasa, ou algo semelhantemente medonho), fazer oferendas de alimento ou labor, e agradecer o apoio e alimento que recebeu em troca do anfitrião. Estes anfitriões não só incluem os povos locais, mas também os espíritos da terra locais. Tendo este princípio em mente, fará muito em ajudar em relações cordiais e amigáveis.

Parecido não é igual

Apesar de que possa não acontecer uma rejeição imediata, também é aconselhável ter certeza que alguém não tome um vislumbre de semelhança como evidencia irrefutável que o Lugar A e Lugar B são exatamente iguais. Isso é mais uma sutil armadilha do que perder todos os sinais que a terra realmente quer que você vá embora, mas ainda é surpreendentemente fácil de fazer, especialmente para aqueles que vivem em bio-regiões parecidas com aquelas das Nações Célticas. Por exemplo, Raven teve um sonho altamente simbólico sobre um alce local (tão parecido com o veado vermelho da Escócia que cientistas pensavam que era a mesma espécie por anos). Apesar de ela ter interpretado o sonho num contexto céltico, e foi lhe proveitoso para a espiritualidade, isso não significa que as Rockies são agora OMG Iguais A Escócia OMG… simplesmente significa que, para Raven, as Rockies podem ser amigáveis e conducentes com uma aproximação espiritual gaélica para conectar-se com a terra, naquela área em particular e com aquele espírito em particular. Outros aspectos (digamos, os vastos cães de pradaria das fazendas, ou os padrões de clima prevalecentes que influenciam o folclore) são bem diferentes e não tem nenhum equivalente direto. Achar as conexões e combinar pontos pode ser importante e de grande auxilio, mas no final das contas cada lugar deve ser visto nos seus próprios termos.

Alguns lugares tem uma sensação mais parecida com a dos países Célticos que outros. Raven teve sucesso confiável trabalhando em um paradigma céltico em Seattle, nas Blue Ridge Mountains de Virginia, Vancouver, Toronto, a bacia hidrográfica Chesapeake Bay em Maryland, e nas Colorado Rockies.

Na experiência de Kathryn, os espíritos do Nordeste dos US e algumas áreas das planícies do Meio-Oeste e a Costa Noroeste tem normalmente respondido bem com uma aproximação Gaélica, apesar de ter havido algumas notáveis exceções. Seja isso uma questão do clima, geologia, cultura, espíritos da terra, ou alguns outros fatores é deixado como um exercício para o leitor. Há margem para ser alguma mudança devida a preconceitos pessoais e experiência (ambas autoras trabalham bem com montanhas cobertas de florestas e biomas de rios, o que faz sentido com a lista acima. Outros de herança céltica mas com diferentes conexões podem achar seus mais fortes aliados em lugares diferentes). Mas em geral, parece que quanto maior a sobreposição ecológica com países Célticos, e quanto mais os povos célticos tenham habitado a área, mais provavelmente que uma sensação semelhante e conjunto de símbolos podem ser frutíferos. No entanto, mesmo que isso aconteça não é garantia de uma língua em comum… corvos na sabedoria Nativa no Noroeste do Pacifico tem associações muito diferentes dos corvos na sabedoria irlandesa, e Raven não foi capaz de reconciliar isto apesar de dois anos no estado de Washington. Em casos como esse, contexto, intuição e divinação serão essenciais para comunicação correta.

Divinação e planejamento de rituais

Algumas vezes o que os espíritos têm a comunicar é incrivelmente claro e nenhuma reserva é necessária. Por exemplo, em uma incidência do tipo “TEMATOETECOMO”, Kathryn e dois amigos tinham um espírito urso de olhos-brilhantes atrás deles atacando, um espírito ancestral psicótico os perseguindo para fora da mata sem descanso, e eles retornaram no próximo dia e descobriram que uma arvore tinha caído onde eles planejavam passar a noite. (Para mais desse desastre juvenil, veja the death crones HEAL THE EARTH.) Enquanto todos nesse incidentes estavam psiquicamente perceptivos, é provável que mesmo alguém tão psíquico quanto um tijolo teria notado que eles não eram desejados ali, seja por realmente ver coisas ou sentir-se assustado ou desconfortável. Nesse caso fazer divinação teria sido supérfluo. No entanto, é muito possível que divinação antes do evento teria ajudado bastante.

Ironicamente, as observações usuais que seguimos antes de rituais em espaços abertos tinham sido observadas – Kathryn e outra sacerdotisa tinham visitado o lugar um mês e meio anteriormente para se conectar e fazer oferendas, e os espíritos tinham ficado felizes em trabalhar com eles. Mas quando eles retornaram como um grupo de três, tudo deu errado e todos os presságios foram terríveis. O que eles descobriram foi que os espíritos amigáveis que estavam ativos durante o dia, durante uma lua cheia na primavera, eram totalmente diferentes daqueles hostis que apareceram de noite, durante a lua negra no meio de uma seca de verão. Essa foi uma variável do lugar que eles não previram, mas o que eles aprenderam disso é que o lugar e os espíritos precisam ser checados nas mesmas condições do ritual seguinte.

Em termos de usar uma divinação como ogham, runas ou cartas, Kathryn descobriu ao longo dos anos que a divinação precisa ser direcionada para ser efetiva. Como politeístas, muitos de nós já descobrimos que diferentes deidades e espíritos podem responder questões bem diferentemente. Por exemplo, enfrentando uma situação perigosa, Brighid pode preferir que você recue, se proteja, e trabalhe para curar aqueles feridos na confrontação, enquanto a Morrigan pode responder que você precisa ir em frente, já que perigo e risco são seus fortes e ela espera o mesmo de seu povo. É importante saber não somente o que você está perguntando, mas para quem você está perguntando.

Também é importante ter certeza que o método de divinação que você usa é capaz de abranger o tipo de questões que você precisa respondidas. Se seu método não tem um fiodh, runa ou carta para TEMATOETECOMO, você provavelmente ou precisa de um novo método, ou reconsiderar como você interpreta os presságios. (Antes de uma escalada nas Rockies, Raven tirou ‘álamo’ de seu ogham e ficou satisfeita, já que ela estava indo lá ver e se conectar especificamente com a colônia de álamos gigantes em altas elevações. Depois, quando ela estava descendo a trilha, tentando chegar embaixo da linha das arvores um relâmpago veio rápido e as atingiu, ela refletiu sobre a conexão do álamo com a morte, estados de suspensão e mudança, e risco em um ponto crucial). Uma combinação de divinação e visitar um lugar antes deve dar um bom ponto de inicio, mas nada é perfeitamente à prova de defeitos.

Se você está planejando um ritual maior que envolve algum tipo de conexão entre sua localização e outro (por exemplo, em um ritual para proteger os sítios sagrados da Irlanda) a opinião dos espíritos locais de ambas as localizações precisa não só ser observada, mas ser estudada mais profundamente e compreensivamente do que para uma simples celebração. É possível que a terra esteja OK com sua presença, mas não OK em ser citada por ou ligada com outro lugar. Mesmo se você for bem intencionado, os espíritos podem ter isso como manipulativo. Kathryn descobriu que enquanto algumas conexões podem ser instantâneas, inquestionáveis e subitamente alterar a vida, outras podem levar anos para se desenvolver propriamente. O tempo move-se diferentemente para espíritos, especialmente para espíritos de árvores que viveram muito e características de formações antigas como rochas, lagos e mares. Algumas pessoas podem nunca ser requisitadas para falarem com a terra, mas é possível que uma área em particular, com o tempo, deseje esse tipo de conexão com você.

Se você não está certo que os espíritos da terra onde você está fazendo um ritual confiam em você para fazer esse tipo de decisão em nome deles (e mesmo se você se sente seguro disso!), divinação é um ordem para claridade e confirmação. Se a divinação não mostrou que os espíritos estão de acordo com sua idéia, isso deve ser considerado profundamente. Possíveis ajustes incluem focar em conectar-se, mas não com a terra do outro local, ou fazendo o ritual dentro de casa e somente sobre o local distante. Essa segunda aproximação pode ser meio alienígena para aqueles que consideram conexão com espíritos locais parte da crença central de sua espiritualidade e magia, mas é preferível a enraivecer os espíritos. Como um exemplo, na experiência “TEMATOETECOMO” de Kathryn na Florida, o que ela descobriu é que ela pode fazer tipos particulares de mágica em ambientes fechados ou em áreas amansadas – meditações e rituais para perguntar questões em particular de espíritos em particular, ou rezas e bençãos bem gerais foram bem. Foi o relacionamento com as energias primais e não filtradas das áreas mais selvagens na região que levaram anos para trabalhar.

Bizarramente satisfeito e espíritos alegres – movendo com o imprevisível

Tem havido momentos contra todas as expectativas, onde espíritos anteriormente problemáticos responderam surpreendentemente bem a uma aproximação céltica. Uma vez Kathryn se mudou para uma nova casa. Depois de um dia colocando uma cerca ao redor do quintal, e rastejando ao redor da varanda, ela e seus colegas inesperadamente descobriram conchas e pedras especiais embaixo da varanda. Aquela noite, Kathryn teve um pesadelo horrível onde estava sendo atacada por uma larga, felpuda, criatura humanoide. No sonho havia sinais em Galês, e parecia que a criatura estava furiosa com ela por ser “estrangeira”. Kathryn estava insegura sobre o que fazer com isso, mas como algo de sua ancestralidade é galesa, ela assumiu que o espírito não gostou dela por causa disso. Mas também há a possibilidade, como o sonho pode ter sido no País de Gales, que o espírito a estava acusando de ser “estrangeira” no País de Gales. Uma variação do sonho aconteceu três vezes seguidas, e em um, quando a criatura apareceu, ela ouviu distintamente uma voz dizer “Trow”.

Subitamente uma hipótese emergiu: “trow” é uma palavra escota[?] para “troll”. A energia embaixo da varanda onde as conchas foram achadas lembra aquela em uma caverna ou embaixo de uma ponte. Nas lendas não somente os trolls vivem nesse tipo de lugar, mas eles enciumadamente guardam seu território e tesouro, são noturnos e tendentes a violência. Isso se adéqua bem nos sonhos alarmantes. Então, ela e seus colegas fizeram um ritual onde eles criaram um altar para o trow, ou o que quer que seja, e colocaram as conchas e pedras que eles tinham achado ali. Eles também ofereceram novas conchas e tesouros brilhantes, e fizeram oferendas de paz com comida e bebida. Isso foi razoavelmente bem, mas o que mudou tudo foi quando Kathryn se dirigiu ao trow em gaélico. Aquilo teve sua atenção. Ela primeiro perguntou se ele era um trow, e ele se recusou em responder. Como ele estava coberto de pelos, e o canto da fundação onde eles colocaram o altar embaixo da varanda lembrava as pedras gruagach(4) achadas em comunidades gaélicas, Kathryn perguntou, “Você é um gruagach?” O espírito ficou radiante. Daquele momento em diante sua atitude mudou totalmente, e ele se tornou entusiástico e um guardião para a casa. Com atenção e oferendas regulares durante os anos sua atitude mudou de mal-humorado para bem agradável.

Ironicamente, outros membros da família insistem até hoje que não era realmente um gruagach. Enquanto é possível que ele fosse um espírito Gaélico deprimido do norte da Escócia que veio para a America com imigrantes gaélicos, e ficou confuso e solitário depois de ser ignorado e ter seu refugio mexido, também é possível que houvesse outra coisa acontecendo ali. Talvez ele só gostasse de qualquer imagem a palavra “gruagach” formava na mente dos familiares, e a energia que evocava. Talvez ele fosse atraído ao som do gaélico por alguma razão misteriosa. Kathryn reserva julgamento sobre suas origens ancestrais, e acha que o importante é que acharam algo que funcione, algo que trouxe paz e alianças proveitosas para as pessoas e espíritos envolvidos, e que aprofundou as experiências de todos com apreciação pelos métodos tradicionais gaélicos de interagir com os espíritos.

O papel dos Ancestrais

Como mencionado acima, alguns dos espíritos que você vai encontrar são ancestrais. Pode haver ancestrais dos povos indígenas da área, ancestrais de mais recentes imigrantes, ou ate seus próprios ancestrais, satisfeitos que finalmente alguém está escutando (Mantenha em mente que enquanto alguns ancestrais são surpreendentemente liberais, ancestrais recentes não-Pagãos podem também não estar terrivelmente felizes com praticas pagãs). Trabalhando em como resolver as diferenças entre uma aproximação entre seus ancestrais célticos e os espíritos indígenas das Américas, Kathryn perguntou a um numero de amigos Nativos Americanos e conhecidos para suas perspectivas sobre o assunto. O consenso que emergiu foi que “os ancestrais vêm primeiro”. As pessoas das Primeiras Nações com quem ela falou (predominantemente Abenaki e outras nações nordestinas) não acharam apropriadas para imigrantes (e os descendentes dos imigrantes) assumir nenhum dos seus costumes, não importa quanto bem intencionado, e nós concordamos. O que todos eles aconselharam foi continuar com os costumes de seus ancestrais, mesmo numa nova terra.

Enquanto nós precisamos ter em mente as preferências dos espíritos locais e agir com honra e respeito com as leis de hospitalidade, nossos ancestrais viajam conosco. Nós olhamos a terra pelos seus olhos, assim como os nossos próprios. Assim como nossos ancestrais célticos viajaram para novas terras, eles perguntaram o nome da nova terra, fizeram tratados com Seus espíritos, e com o tempo as praticas mudaram, dependendo da terra onde eles se assentaram. Porém, suas crenças, valores, historias e aproximações com a religião e o mundo natural continuam o mesmo.

A viagem continua, mesmo para aqueles de nós que estão relativamente assentados onde eles agora vivem. Seja Amergin chamando a Terra da Irlanda, ou um Reconstrucionista Celta se abrindo para os espíritos de uma nova terra na diáspora, a jornada continua. Possamos fazê-la com respeito pelos nossos ancestrais e pelos povos e espíritos da terra onde agora vivemos.

Slàinte Mhath.


Notas
1. Crann ogham ou “alfabeto ogham” – é a lista de arvores sagradas para os antigos celtas, o que faz um dos melhores alfabetos ogham conhecidos. Essa sabedoria das arvores é normalmente usada como estrutura para trabalhos místicos e divinação. Para mais sobre as árvores crann ogham e dicas para conhecer as arvores em sua área, veja Tree Huggers: A Methodology for Crann Ogham Work (a.k.a. Raven e Kathryn Se Perdem na Mata) por Raven nic Rhóisín e Kathryn Price NicDhàna.
2. Ou The CR FAQ – Uma introdução ao Paganismo Reconstrucionista Celtico (2007 River House Publishing) p. 107
3. Nós gostaríamos de dar credito ao novelista Jon Evans, autor de Beasts of New York pela frase TEMATOETECOMO. Obrigado, Jon!
4. Gruagach Stones – em tradicionais, normalmente rurais, comunidades Gaélicas, uma pedra onde leite e outras libações são colocados em oferenda a esse cabeludo e selvagem espírito. Algumas vezes é uma pedra natural perto de uma casa ou campos, algumas vezes com o antigo padrão “copo e anel”. Em outros casos em um canto da fundação da pedra que sobressai através das paredes da construção, geralmente num canto da casa. Um gruagach pode ser tumultuador se enervado, mas se favorecido, irá arrebanhar e guardar o gado, e ate proteger a família ou indivíduos que eles favorecem.


“KILLYOUANDEATYOU!”
tem direitos autorais ©October 2007 Raven nic Rhóisín e Kathryn Price NicDhàna.
All worldwide rights reserved.

Não deve ser reproduzido parcialmente ou inteiramente sem permissão escrita dos autores. Breves, completamente creditadas, citações podem ser feitos para propósitos de critica. Qualquer citação deve conter copyright, autores, URL e data acessada.
Se você deseja publicar isso na internet, não reposte; dirija as pessoas interessadas para
http://paganachd.com/articles/killyouandeatyou.html
Raven nic Rhoisin Kathryn Price NicDhana Kathryn NicDhàna Kathryn NicDhana

(o artigo foi publicado com a devida permissão das autoras, traduzido da versão em inglês disponível aqui: http://www.paganachd.com/articles/killyouandeatyou.html)

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this:
search previous next tag category expand menu location phone mail time cart zoom edit close